Notícias


Bell leva helicóptero quase até o topo do Monte Everest

Aviões a jato podem voar alto. Já o helicópteros, nem tanto. Porém,...


Cemitério de metal: o que acontece quando um avião é aposentado?

Centenas de milhares de voos ocorrem todos os anos no mundo inteiro,...


Crise no Brasil faz companhias aéreas do Pacífico deixarem o país

Uma sequência de fatores tem feito com que as companhias aéreas de países banhados pelo Oceano...



WebMail

webmail
Empresa de serviços aéreos não apresenta propostas para as viagens para Caiena PDF Imprimir E-mail
  • Empresa de serviços aéreos não apresenta propostas para as viagens para Caiena

Aqui Amapá
10/07/2015

Há cinco meses que o governo do Amapá espera a oficialização do pedido de redução do imposto sobre o combustível de aviação, que deveria ser feito pela empresa Azul, que estaria interessada em fazer um voo para Caiena, na Guiana Francesa, partindo de Macapá. A alíquota do ICMS sobre o combustível de aviação em vigor no Amapá é de 17%.

 

Em fevereiro deste ano, o governador Waldez Góes reuniu com parlamentares da bancada federal, empresários locais e a Azul para tratar sobre a redução.

 

Uma das contrapartidas pedidas pelo governo foi que a empresa fizesse um estudo para implantar voos locais. A sugestão foi a abertura de uma rota Macapá-Oiapoque e que o voo para Caiena tivesse partida de Macapá.

O secretário de Estado da Fazenda, Josenildo Abrantes, explicou que a empresa Azul chegou a solicitar do governo a redução do imposto em 2014, e se comprometeu em fazer um estudo para verificar a viabilidade econômica de fazer viagens aéreas de Macapá até Caiena sem escalas em Belém, no Pará.

“A empresa teve a solicitação indeferida porque não apresentou a documentação necessária na época. Este ano, nós tivemos duas reuniões com representantes da companhia. Uma delas foi com a presença do governador, que mostrou total interesse. Os representantes da Azul se comprometeram a apresentar uma nova documentação para o processo. Até o momento estamos aguardando”, declarou o Abrantes.

O secretário lembrou que o querosene de aviação representa algo em torno de 40% dos custos das empresas aéreas. Ele ressaltou, entretanto, que só poderão usufruir da redução do imposto, as companhias que estabelecerem rotas internacionais de interesse do Amapá. “Nosso principal interesse é que as empresas baixem os custos operacionais para facilitar abertura de rotas domésticas”, completou.

O gestor informou que a isenção parcial do ICMS só pode ocorrer mediante análise e também com base na proposta de redução que a empresa apresentar. Depois disso, o pedido é encaminhado ao Conselho Nacional de Política Fazendária (Confaz) ou pode ser encaminhado para votação na Assembleia Legislativa do Amapá.

 

Experiência

10anos

Sitemap

mapa-site

Produtos em Destaque



Rua Bulhões Marcial, Nº 879 - Vigário Geral - Rio de Janeiro - RJ
contato@equimec-rgse.com.br
Telefone: +55 21 3681-2904 /3448-5023 Fax: +55 21 3352-7240

Desenvolvido por abc design ltda.. XHTML CSS.